CONSEQUÊNCIAS DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DAS FUNDAÇÕES NAS ESTRUTURAS - ESTUDO DE CASO

  • Sânzzia de Oliveira e Souza Figueira
  • Niander Aguiar Cerqueira
Keywords: edificações; fundações; manifestações patológicas.

Abstract

Com o decorrer do tempo, inúmeras são as manifestações patológicas que se tornam perceptíveis devido aos problemas provenientes da execução, do próprio projeto, ou do uso de qualquer edificação. Essas manifestações são verificadas com o propósito de reconhecer as suas causas e origens, a fim de se alcançar a melhor maneira para o problema. Contudo, ao analisar os elementos de fundação, este processo se torna mais complexo devido ao fato de serem enterrados no solo. É muito usual haver a necessidade de se fazer a alteração nos projetos das estruturas de fundações, assim que se verificam solos em condições divergentes do previsto, principalmente quando não são efetuadas investigações no subsolo. Os problemas encontrados nas fundações são difíceis de serem analisados quando antepostos à execução, o que acomete de modo expressivo a segurança e a durabilidade da edificação, afetando de modo geral a obra. Além disso, há também problemas como a falta de controle na execução, assim como sondagens do solo inapropriados ou insuficientes, de modo a utilizar as fundações de forma incorreta para o solo existente. Para isso, torna-se fundamental uma adequada identificação e prevenção, para que as manifestações patológicas sejam solucionadas. O presente trabalho tem por objetivo reconhecer as patologias das fundações nas edificações, como as aberturas e recalques mostrando como podem ser evitadas, tendo por suporte uma pesquisa bibliográfica e um estudo de caso, visando-se a minimização do custo da obra e a melhoria da segurança na edificação.

Downloads

Download data is not yet available.
Published
2020-05-24
How to Cite
de Oliveira e Souza Figueira, S., & Aguiar Cerqueira, N. (2020). CONSEQUÊNCIAS DAS MANIFESTAÇÕES PATOLÓGICAS DAS FUNDAÇÕES NAS ESTRUTURAS - ESTUDO DE CASO. Revista Interdisciplinar Pensamento Científico, 5(5). Retrieved from http://reinpec.org/reinpec/index.php/reinpec/article/view/436